Mostra de filmes chineses permanece em conjunto com a mostra “O olhar feminino das cidades contemporâneas”; acesso é online e gratuito, via Looke

A programação do Cine CPFL em outubro apresenta a Mostra Cinema e Reflexão com duas temáticas simultâneas. Devido ao grande sucesso, com mais de quinze mil acessos em menos de 30 dias, o especial de setembro com onze filmes chines permanece até o dia 30/10, além de outros quatro novos filmes que fazem parte da temática “O olhar feminino nas cidades contemporâneas”. Os longas serão disponibilizados na plataforma brasileira Looke, com acesso é gratuito para todo o território brasileiro pelo endereço www.mostracinemaereflexao.com.br.

Os onze títulos que fizeram parte da 4ª edição do mês de Intercâmbio Brasil-China, promovido pelo Instituto CPFL, reúne longas-metragens realizados entre 1937 e 2006, e são assinados por diretores consagrados internacionalmente como Zhang Yimou, Chen Kaige e Feng Xiaoning.

Em paralelo, a mostra também apresenta a temática “O olhar feminino nas cidades contemporâneas”, com quatro longas programados: “A Câmera de Claire” (Coreia do Sul/França), de Hong Sang-soo, “Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia” (Macedônia/Bélgica/Eslovênia/França/Croácia), de Teona Strugar Mitevska, “Perdidos em Paris” (França/Bélgica), de Dominique Abel e Fiona Gordon e “Quando Margot Encontra Margot” (França), de Sophie Fillières.

Vencedor do Prêmio do Júri Ecumênico e do no Festival de Berlim, “Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia” (“Gospod Postoi, Imeto i' e Petrunija”, 100 min, 2019, 14 anos) aborda ritual que ocorre no dia 19 de janeiro em cidades da Macedônia. Nesse evento, o pároco mais importante de cada localidade lança uma cruz no rio, e centenas de homens mergulham para alcançá-la, sob a promessa de que assim terão felicidade e prosperidade durante o ano. A diretora da Macedônia Teona Strugar Mitevska revelou-se mundialmente em 2004, com “How I Killed a Saint”, vencedor do Festival de Roterdã. Já dirigiu cinco longas-metragens, todos de circulação no circuito internacional de festivais.

“Perdidos em Paris” (“Paris Pied Nus”, 83 min, 2016, 12 anos) conta a história de Fiona, bibliotecária de uma pequena cidade canadense que recebe uma aflita e angustiada carta de sua tia Marta, uma senhora de 93 anos que vive sozinha na cidade de Paris. Sem pestanejar, Fiona embarca no primeiro avião rumo à capital francesa para descobrir que Martha desapareceu. O filme venceu o prêmio do público no Festival de Mill Valley (EUA), o de melhor montagem nos prêmios Magritte (Bélgica) e o Rare Pearl Award, no Festival de Denver (EUA).

Assinado pelo cineasta Hong Sang-soo, “A Câmera de Claire” (“La Caméra de Claire”, 69 min, 2017, 12 anos) focaliza o encontro casual entre duas mulheres durante o festival de cinema na cidade francesa de Cannes. Manhee é uma agente de filmes, recém demitida por sua chefe sem explicações, enquanto que Claire é uma professora de música apaixonada por eternizar momentos com sua polaroide.

O enredo de “Quando Margot Encontra Margot” (“La Belle et la Belle”, 97 min, 2018, 14 anos) acompanha uma personagem chamada Margot, de 45 anos, que tem uma vida despreocupada, pontuada por frequentes noitadas na cidade de Paris. Uma noite, durante uma festa, ela conhece outra Margot, 20 anos mais velha. Elogiado pela sutileza da direção de Sophie Fillières, a produção tem no elenco Sandrine Kiberlain, Agathe Bonitzer e Melvil Poupaud.

Live “O Cinema Chinês da Quinta à Sexta Geração"

Na sexta-feira (2/10), às 18 horas, o Cine CPFL, por meio da Mostra Cinema e Reflexão, promove uma live com Cecília Mello, professora da ECA-USP e especialista em cinema chinês. Na transmissão, a especialista comenta a história da cinematografia chinesa e sobre os títulos em exibição na mostra.

A acadêmica realizou estágios de pós-doutorado no Centre for World Cinemas (Universidade de Leeds, Reino Unido), na Beijing Film Academy e na Universidade de Pequim, ambas em Pequim (China). Possui diversas publicações no Brasil e no exterior e é uma das tradutoras para o inglês dos escritos de Glauber Rocha. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos temas: realismo, cinema e televisão britânicos, cinemas chineses, cinema e cidade, intermidialidade, montagem e teoria do cinema.

Serviço

Cine CPFL de outubro

“Mostra de Cinema Chines” e “O olhar feminino nas cidades contemporâneas”

Quando: de 1/10 a 31/10

Onde: Plataforma Looke - acesso gratuito e online

Informações: www.mostracinemaereflexao.com.br

--

Sobre o Instituto CPFL



Com 17 anos de trajetória e sede em Campinas (SP), o Instituto CPFL é a plataforma de investimento social privado do Grupo CPFL Energia, responsável pela integração dos programas sociais, esportivos e culturais do grupo em uma única rede. Em 2020, o Instituto CPFL fortalece a frente de atenção social com investimento nos programas CPFL Jovem Geração, que apoia iniciativas voltadas para o futuro das novas gerações; e o CPFL nos Hospitais, que apoia projetos de humanização e melhorias em hospitais públicos. Também integram as atividades do Instituto CPFL, para o ano de 2020, o Circuito CPFL - com etapas de Corrida e Caminhada e o Cinesolar; as gravações do programa Café Filosófico CPFL - realizado em parceria com a TV Cultura e exibido na grade da emissora; além de outras atividades que acontecem na sede do Instituto CPFL, em Campinas, como Exposições de Artes, os concertos da Série Música Contemporânea, o mês em comemoração à cultura chinesa e as exibições de cinema por meio do Cine CPFL.

Saiba mais em www.institutocpfl.org.br.